ReceptaBio. Expertise tecnológica abrangente para desenvolver medicamentos biossimilares para aplicação oncológica, através de testes clínicos com registro na Anvisa e FDA.

Institucional

Biotecnologia em favor da vida

ReceptaBio é uma empresa brasileira de biotecnologia dedicada à pesquisa e ao desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento do câncer. A ReceptaBio foi fundada em 2006, fruto de uma parceria de empresários brasileiros com o Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (Ludwig Cancer Research, LCR), compartilhando a visão de que o Brasil oferece um conjunto significativo de vantagens competitivas para o desenvolvimento da biotecnologia voltada para saúde humana.

A ReceptaBio desenvolve biomoléculas – anticorpos monoclonais e peptídeos – com a capacidade de reconhecer e de se ligar a alvos específicos em células, atuando diretamente sobre elas ou estimulando ações do sistema imunológico sobre as células de tumor, o que inviabiliza sua sobrevivência e reprodução.

Anticorpos monoclonais e peptídeos vêm se afirmando como uma opção terapêutica cada vez mais importante no tratamento de diversos tipos de câncer, especialmente no controle e prevenção de metástases. Podem ser usados também como biomarcadores para fins de diagnóstico e prognóstico de progressão da doença e/ou resposta a tratamentos. Anticorpos monoclonais são proteínas, peptídeos são fragmentos de proteínas. A produção de anticorpos monoclonais se dá por um processo biotecnológico complexo que envolve engenharia genética ao passo que peptídeos são produzidos por meio de síntese química.

A ReceptaBio, ao ser criada, obteve o licenciamento da propriedade intelectual de quatro anticorpos monoclonais que, em pesquisas realizadas pelo LCR, demonstraram potencial para uso no tratamento de diversas neoplasias. A colaboração com os pesquisadores do LCR garante à ReceptaBio uma efetiva transferência de conhecimento científico e tecnológico, conferindo maior qualidade e validação de seus procedimentos.

As atividades de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) da ReceptaBio são conduzidas segundo um modelo inovador por meio de colaborações com cientistas de instituições de pesquisa referenciais do país, além de consultores científicos renomados que auxiliam na identificação e desenvolvimento de novos anticorpos e peptídeos.

A ReceptaBio faz inovação em biotecnologia para responder às necessidades da sociedade e do mercado brasileiro. Todas essas ações pretendem se traduzir em medicamentos eficientes e em tratamentos mais baratos para o sistema de saúde do país.

Progressos foram realizados pela ReceptaBio desde sua criação, com destaque para os seguintes fatos:

Anticorpos Monoclonais

01. Testes clínicos

Domínio de todas as etapas do complexo processo de preparação e condução de testes clínicos. Tendo sido a primeira empresa brasileira a realizar testes clínicos de Fase II com anticorpos monoclonais para tratamento do câncer com registro na ANVISA e no FDA.

Geração de linhagens

02. Anticorpo humanizado

Domínio da tecnologia de humanização e geração de linhagens celulares para a produção de anticorpo monoclonal humanizado.

Tratamento do câncer

03. Peptídeos

Descoberta e patenteamento de peptídeos com potencial para uso clínico no tratamento do câncer, conforme verificado em testes pré-clínicos in vitro e in vivo.

Setor farmacêutico

04. Alianças e parcerias

Capacidade comprovada de estabelecer e conduzir com sucesso alianças e parcerias com os vários agentes do setor farmacêutico tanto privados quanto públicos.

Pioneirismo

05. Licenciamento

Primeiro licenciamento de uma droga feito por empresa brasileira para empresa estrangeira.

Equipe ReceptaBio

Equipe ReceptaBio

Expertise, sinergia e motivação para agregar valor

Conselho de Administração

  • Gabriel Luiz Oliva Perez (Presidente)
  • Jonathan Skipper, PhD.
  • Jovelino de Carvalho Mineiro
  • Ivan Silva Duarte
  • Stephen Charles O’Sullivan
  • Pedro Lins Palmeira Filho
  • Victor Hugo Gomes Odorcyk

Comitê de Inovação

Top