Condução de testes pré-clínicos e clínicos para a produção de anticorpo monoclonal humanizado (Biofarmacêutica).

Anticorpos Recepta

Do laboratório até o paciente

Anticorpo monoclonal RebmAb700/AGEN2034

Anticorpo monoclonal RebmAb700/AGEN2034

Assim como o RebmAb600/AGEN1884, este anticorpo está sendo desenvolvido em parceria com o LCR e a Agenus Inc.). Trata-se de um anticorpo monoclonal humano, para bloquear a proteína de morte celular programada 1 (PD-1), importante regulador negativo (supressor) das respostas dos linfócitos T. Ao bloquear o PD-1, a resposta imune aumenta através da inibição da regulação negativa da ativação de linfócitos T, aumentando consequentemente a resposta imune antitumoral. Esta molécula está em estudo clínico fase I nos Estados Unidos (NCT03104699). Por atuar aumentando a resposta do sistema imune frente ao tumor, são previstos estudos em diversas indicações terapêuticas para o RebmAb700, especialmente melanoma metastático, uma doença agressiva que apresenta prognóstico de sobrevida de 6-9 meses após diagnóstico, e câncer de pulmão de células não pequenas, que causa a morte de cerca de 20.000 brasileiros anualmente (INCA 2016).

Anticorpo monoclonal RebmAb600/AGEN1884

Anticorpo monoclonal RebmAb600/AGEN1884

Anticorpo desenvolvido por meio de uma parceria entre a ReceptaBio, o LCR e a empresa 4-Antibody (que foi posteriormente adquirida pela Agenus Inc.). Trata-se de um anticorpo monoclonal humano que bloqueia o antígeno 4 associado ao linfócito T citotóxico (CTLA-4), importante regulador negativo (supressor) das respostas dos linfócitos T. Ao bloquear o CTLA-4, a resposta imune aumenta, através da inibição da regulação negativa da ativação de linfócitos T, estimulando consequentemente a resposta imune antitumoral. Esta molécula está em estudo clínico fase I nos Estados Unidos (NCT02694822). A primeira indicação terapêutica do RebmAb600 no Brasil será provavelmente para melanoma metastático, em combinação com o RebmAb700/AGEN2034.

Anticorpo monoclonal RebmAb200

Anticorpo monoclonal RebmAb200

A humanização do anticorpo murino anti-NaPi2b e a geração de uma linhagem celular estável para produção do anticorpo humanizado RebmAb200 foi um trabalho pioneiro no Brasil conduzido pela ReceptaBio. A expressão do alvo do RebmAb200, NaPi2b, uma proteína transportadora fosfato encontrada na membrana celular, foi avaliada por pesquisadores colaboradores da ReceptaBio e sua alta expressão em tumores de mama, pulmão e ovário, associada com alta especificidade, eficiência e sensibilidade do anticorpo, fizeram-no um promissor novo tratamento para esses tipos de câncer. Em julho de 2015, o RebmAb200 foi licenciado para a Mersana Therapeutics, biofarmacêutica americana que possui tecnologia de ponta para a produção de ADCs (antibody-drug conjugates). Esta foi a primeira propriedade intelectual de uma droga licenciada pelo Brasil. Testes pré-clínicos utilizando o RebmAb200 com tecnologia ADC da Mersana Inc, mostraram grande atividade anti-tumoral em modelos animais, confirmando seu potencial como novo biofármaco. Em 2016, a Mersana recebeu um prêmio pela melhor plataforma tecnológica de ADCs. O início de estudos clínicos com este ADC - chamado pela Mersana XMT-1536 – está previsto para o início de 2018.

Anticorpo monoclonal RebmAb100

Anticorpo monoclonal RebmAb100

O anticorpo monoclonal humanizado RebmAb100 reconhece o antígeno Y do grupo sanguíneo Lewis (LeY). O LeY tem uma acentuada expressão em tecidos tumorais, especialmente em carcinomas epiteliais, quando comparado com sua expressão em tecidos não tumorais. O antígeno LeY é considerado um alvo tumoral com importante potencial em diagnóstico e tratamento. Estudos de imuno-histoquímica, estudos pré-clínicos e testes clínicos de Fase I foram conduzidos com o RebmAb100 pelos pesquisadores do LCR e seus resultados justificaram a continuidade de ensaios clínicos visando determinar sua eficácia terapêutica. A ReceptaBio conduziu ensaios clínicos de Fase II no Brasil, em pacientes com tumor de ovário e mama e está buscando parceiros para dar continuidade ao desenvolvimento do RebmAb100 (NCT01370239, NCT01137071, NCT00617773).

Anticorpo monoclonal RebmAb300

Anticorpo monoclonal RebmAb300

Trata-se de anticorpo monoclonal que reconhece o antígeno B do grupo sanguíneo Lewis (LeB). Assim como observado para LeY, a expressão de LeB é aumentada em diversos tipos de carcinomas de origem epitelial, como de de coloretal, pulmão, ovário e mama, entre outros. Notadamente, a expressão elevada de LeB está correlacionada a prognósticos menos favoráveis destes carcinomas, indicando perspectivas favoráveis para uso terapêutico do anticorpo em diferentes neoplasias.

Anticorpo monoclonal RebmAb400

Anticorpo monoclonal RebmAb400

O anticorpo reconhece o antígeno A34, uma glicoproteína pertencente à família de moléculas de junções aderentes. Sua expressão é particularmente alta em adenocarcinomas gástricos e esofágicos. Avaliação mais abrangente quanto aos possíveis usos terapêutico para RebmAb400 vem sendo realizada com a finalidade de melhor definir o desenvolvimento deste anticorpo monoclonal.

Top