A ReceptaBio é parceira da Faculdade de Medicina da USP, Universidade Federal de São Paulo, Instituto Butantan, Ludwigm Finep, MIT, Fapesp.

Parcerias

Rede de instituições parceiras ReceptaBio

A ReceptaBio vem firmando acordos de cooperação com vários centros de excelência para a realização de suas atividades de pesquisa e desenvolvimento. As seguintes organizações já fazem ou fizeram parte da rede de instituições parceiras da ReceptaBio:

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Agenus Inc.

Agenus Inc.

Agenus é uma empresa de imuno-oncologia em estágio clínico focada na descoberta e desenvolvimento de terapias que envolvem o sistema imunológico do organismo para combater o câncer. A visão da companhia é expandir as populações de pacientes que se beneficiam da imunoterapia contra câncer, buscando uma série de abordagens combinadas que alavanquem um amplo repertório de terapias de anticorpos e plataformas proprietárias de vacinas contra câncer. A companhia está equipada com um conjunto de plataformas de descoberta de anticorpos e uma fábrica para produção em GMP de última geração com capacidade para suportar programas clínicos de fase inicial. É parceira da ReceptaBio no co-desenvolvimento do RebmAb600/AGEN1884 e RebmAb700/AGEN2034. A Agenus está sediada em Lexington, MA, USA.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq

O CNPq apoiou a ReceptaBio de duas formas: por meio de bolsas para pesquisadores da empresa para a condução de suas pesquisas nas instituições parceiras da ReceptaBio e o segundo foi um projeto de um estudo clínico, objeto do Edital 052/09, patrocinado pelo Ministério da Saúde e pelo CNPq, por meio da Rede de Pesquisa em Oncologia que utilizou um anticorpo da ReceptaBio. A ReceptaBio foi escolhida como empresa parceira do MS e do CNPq para a realização deste estudo clínico.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP)

Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP)

A ReceptaBio mantém uma colaboração com o Prof. Dr. José Alexandre Barbuto, cuja pesquisa se dedica ao estudo das relações entre o sistema imune e as neoplasias, tanto em pacientes humanos quanto em modelos experimentais de tumores, com investigação em abordagens imunoterapêuticas para o câncer baseadas nas células dendríticas.


• Dr. José Alexandre Barbuto, MD, PhD.

José Alexandre M. Barbuto formou-se em Medicina em 1981, pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, e recebeu o título de Mestre em Imunologia pela Escola Paulista de Medicina, São Paulo, em 1983. Em seguida, ele completou sua especialização em Imunologia Celular no Instituto Max-Planck de Biologia, em Tübingen na Alemanha, onde trabalhou por dois anos, após o que, obteve seu doutorado em Imunologia pelo Instituto de Ciências Biomédicas, USP, São Paulo, em 1988. Obteve título de Livre-Docência em Imunologia na mesma Universidade em 2007. Dr. Barbuto ocupou posições como Cientista Visitante no Arizona Cancer Center, University of Arizona, Tucson, Arizona, EUA (1990/1993), de Consultor Científico do Departamento de Patologia Clínica do Hospital A.C. Camargo, São Paulo, SP e do Laboratório de Patologia Cirúrgica e Molecular do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP. Sua produção científica inclui mais de 65 trabalhos, 20 capítulos em livros e 4 pedidos de patentes. Ele já concluiu 48 orientações, entre Iniciações Científicas, Mestrados, Doutorados e Pós-doutorados. Atualmente, o Dr. Barbuto é Professor Associado do Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas, USP, São Paulo, onde desenvolve linha de pesquisa sobre a Imunologia do Câncer, liderando o Laboratório de Imunologia de Tumores da USP. Trabalhando nesta linha de pesquisa recebeu, em 2005, Voto de Aplauso do Senado Federal, por seu trabalho no desenvolvimento de vacina para tratamento do câncer avançado, com resultados promissores.


Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

O desenvolvimento de projetos da ReceptaBio exige avaliação da reatividade de seus anticorpos em tecidos tumorais e tecidos normais em ensaios com abrangente número de amostras, para validação e extensão dos resultados obtidos pelos pesquisadores do LCR.


Neste sentido, foi assinado um acordo com a Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FFM/FMUSP) para a realização de ensaios de imuno-histoquímica pelo Laboratório de Investigação Médica (LIM 14) ligado ao Departamento de Patologia. O projeto foi coordenado pelo Dr. Venâncio Avancini F. Alves, PhD, professor titular, reconhecido especialista em imuno-histoquímica. O projeto contou também com a colaboração de Achim Jungblüth, MD, pesquisador da filial do Instituto Ludwig Cancer Research (LCR), no Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, Nova York.


• Dr. Venâncio Avancini Alves, PhD.

Médico especialista em Anatomia Patológica e Citopatologia. Doutor e livre-docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Atualmente é professor titular do Departamento de Patologia da FMUSP e diretor da Divisão de Anatomia Patológica do Hospital das Clínicas/FMUSP. Coordena o Laboratório de Investigação Médica em Patologia Hepática da mesma faculdade. Foi diretor da Divisão de Patologia do Instituto Adolfo Lutz.

Para determinação da distribuição corporal dos Anticorpos Monoclonais da ReceptaBio quando dosados, bem como uma avaliação preliminar do seu potencial para uso diagnóstico, é necessária a marcação radioativa destes anticorpos e sua avaliação em modelos pré-clínicos. Para tal, a ReceptaBio executou projeto de pesquisa em colaboração com o Dr. Roger Chamas, MD, PhD, pesquisador do Departamento de Oncologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), contando ainda com a consultoria e experiência do Dr. Chaitanya Divgi, professor da University of Pennsylvania.


• Dr. Roger Chamas, MD, PhD.

Graduou-se em Medicina (1988) e concluiu seu doutorado em Ciências Biológicas, Bioquímica (1993) pela Universidade de São Paulo. Especializou-se na área de Glicobiologia, na Universidade da Califórnia, San Diego (1994-1997). Foi pesquisador visitante do Friedrich-Miescher Institut, Basiléia, Suíça (1991); da Harvard School of Public Health, Boston, Estados Unidos (1993); da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP-EPM (1998-1999) e do Moffitt Cancer Reserch Center, Tampa, Estados Unidos (2011-2012). Desde 2000, atua na Faculdade de Medicina da USP, onde atualmente é Professor Titular de Oncologia (área: Oncologia Básica). É coordenador do curso de Pós-Graduação em Oncologia da USP (2007- atual). Atua como editor seccional do Brazilian Journal of Medical and Biological Research (área: Biologia Celular), desde 2001, e como editor acadêmico da PLoS One, desde 2009. Sua área de interesse é Bioquímica e Biologia Celular do Câncer, atuando na área de progressão tumoral, marcadores de progressão carboidrato-dependentes e caracterização de microambientes tumorais.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP

Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP

A FINEP, agência governamental de fomento à inovação, tem sido uma parceira importante da ReceptaBio desde a criação da empresa, com apoios de programas de subvenção econômica, financiamentos e mais recentemente aporte de capital. Desde 2006, a empresa apresentou vários projetos para Editais de Programas de Subvenção Econômica sempre com sucesso. A empresa obteve também financiamentos específicos para projetos inovadores com juros reduzidos. Em 2016, a FINEP tornou-se sócia da ReceptaBio por meio do Fundo de Investimentos em Participações Inova Empresa.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP

A FAPESP apoiou a ReceptaBio por meio de dois programas PITE E PIPE. O primeiro foi um contrato da agência com a Fundação Butantan, com contrapartida da ReceptaBio. O PIPE foi um projeto de apoio para a descoberta de novos anticorpos.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: G-Lab da Sloan School of Management – MIT

G-Lab da Sloan School of Management – MIT

Em 2005, a ReceptaBio foi uma das empresas selecionadas para participar do programa Global Entrepreneurship Lab (G-Lab), mantido pela Sloan School of Management do Massachusetts Institute of Technolgy (MIT). O G-Lab é um curso oferecido aos estudantes de MBA da Sloan School, combinando atividades em classe e estágios nas empresas selecionadas para o desenvolvimento de projetos de consultoria apresentados pelas companhias inscritas no programa.


Muitas dessas empresas são de países em desenvolvimento. Os estudantes escolhem, dentre os projetos apresentados pelas empresas, aqueles que julgam de maior interesse. Desenvolvem, então, um trabalho inicial em classe e, posteriormente, viajam para os países dessas empresas, onde permanecem por período de 3 a 4 semanas para concluir o projeto. Nessa etapa final, o trabalho deve ser conduzido em intensiva colaboração com dirigentes e gerentes das empresas. ReceptaBio foi selecionada pelo G-Lab duas vezes, em 2005 e 2008.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Instituto Butantan

Instituto Butantan

No Instituto Butantan, centro de pesquisa biomédica ligado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, foi realizada a pesquisa em biologia molecular e celular e desenvolvimento dos anticorpos humanizados. Esse trabalho foi realizado por pesquisadores da ReceptaBio em colaboração com a Drª. Ana Maria Moro, PhD, pesquisadora do instituto e especialista em anticorpos monoclonais. Esses estudos foram conduzidos em colaboração com o grupo de Gerd Ritter, PhD, do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, Nova York. O objetivo da parceria com o Instituto Butantan foi a humanização de anticorpos e geração de linhagens celulares estáveis para posterior produção em escala piloto de anticorpos destinados à realização de testes clínicos de Fase I e II.


O acordo com o instituto visou, não apenas a geração de linhagens celulares de interesse da ReceptaBio, mas também a formação de recursos humanos altamente qualificados com domínio de tecnologia de relevância estratégica para o país. O instituto paulista se beneficiou ao se capacitar para a produção de anticorpos monoclonais humanizados.


• Drª. Ana Maria Moro, PhD.

Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, especialização em Genética Bioquímica pela University College London, Inglaterra, e pós-doutorado em Biologia Celular pela Università degli Studi di Torino, Itália. Atualmente é diretora do Laboratório de Anticorpos Monoclonais do Instituto Butantan e professora orientadora da USP (Biotecnologia). No projeto do Butantan com a ReceptaBio, coordenou o grupo responsável pela geração das linhagens celulares produtoras de anticorpos humanizados e construção dos bancos celulares.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (LCR)

Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (LCR)

O Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (LCR) é o principal parceiro da ReceptaBio. Quatro Anticorpos Monoclonais (mAbs) licenciados para a empresa foram desenvolvidos pelos pesquisadores do LCR, com sede em Nova York. O instituto é uma organização de pesquisa acadêmica sem fins lucrativos com um orçamento anual de US$ 80 milhões destinados a entender, tratar e controlar o câncer. Tem filiais nos Estados Unidos, Europa, Austrália e Brasil.


Na qualidade de sócio da ReceptaBio, o LCR, além de ter licenciado a propriedade intelectual dos mAbs, contribui disponibilizando assessoria científica e tecnológica. Em particular, colaboram diretamente com a ReceptaBio os cientistas Jonathan Skipper, PhD, Pär Olsson, PhD, Gerd Ritter, PhD, Jedd Wollchok, do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (MSKCC), Nova York.


O braço do LCR em São Paulo, é também um dos parceiros da ReceptaBio. Pesquisadores da empresa trabalharam nesta filial em projetos de identificação de novos antígenos tumorais e a geração de correspondentes mAbs. Esse projeto foi conduzido em colaboração com Gerd Ritter, PhD, pesquisador da filial do LCR no MSKCC.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Mersana Therapeutics

Mersana Therapeutics

A Mersana Therapeutics é uma empresa biofarmacêutica em estágio clínico que usa suas plataformas ADC diferenciadas e proprietárias para desenvolver medicamentos altamente direcionados com maior tolerabilidade e oportunidades expandidas para proporcionar benefícios clínicos significativos aos pacientes. O candidato de produto principal da Mersana, XMT-1522, está em ensaios clínicos de Fase 1 em pacientes com tumores avançados que expressam HER2, incluindo câncer de mama, câncer de células não pequenas e câncer de pulmão (NSCLC) e pacientes com câncer gástrico. O segundo produto candidato da empresa, XMT-1536, está em ensaios clínicos de Fase 1 em pacientes com tumores que expressam NaPi2b, incluindo câncer de ovário, NSCLC e outros tipos de câncer. É parceira da ReceptaBio no desenvolvimento do RebmAb200/XMT-1536. Além disso, vários parceiros estão usando a plataforma da Mersana para avançar seus ADCs. A Mersana está sediada em Cambridge, MA, USA.

Pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biológicos: Unidade de Oncologia Experimental da Universidade Federal do Estado de São Paulo – UNIFESP

Unidade de Oncologia Experimental da Universidade Federal do Estado de São Paulo – UNIFESP

Pesquisa para identificação, desenho e caracterização de peptídeos com ação anti-tumoral é desenvolvida por pesquisadores da ReceptaBio sob coordenação do Prof. Dr. Luiz Rodolpho Raja Gabaglia Travassos, Chefe da Unidade de Oncologia Experimental da UNIFESP.


• Dr. Luiz Rodolpho Raja Gabaglia Travassos, PhD.

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1962) e Doutor em Ciências (Microbiologia e Imunologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1967). Pós-doutorado na Universidade de Columbia, Nova York, na área de Imunoquímica e Glicobiologia de fungos. Atualmente é professor titular da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Chefe da Unidade de Oncologia Experimental. Foi professor visitante da Universidade de Columbia (Nova York) e pesquisador visitante no Memorial Sloan Kettering Cancer Center (Nova York). Participou e ainda participa de vários Conselhos, da CAPES, CNPq e do Instituto Butantan. Recebeu diversos prêmios, entre eles as medalhas de Comendador e da Grão-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Cientifico. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Possui experiência na área de imunologia de células eucarióticas, com ênfase em Bioquimioterapia do câncer e imunobiologia de fungos, tendo atuado principalmente nos seguintes temas: Paracoccidioides brasiliensis e imunoterapia da paracoccidioidomicose; glicobiologia de fungos patogênicos; Trypanosoma cruzi e Doença de Chagas, componentes antigênicos e diagnóstico; melanoma murino e tumores humanos, peptídeos e peptidases. Conta com mais de 200 publicações nessas áreas, tendo orientado mais de 40 estudantes de pós-graduação.

Centros de Excelência Hospitalar

Centros de Excelência Hospitalar

Centros hospitalares de referência para a condução de testes clínicos

Top